Arquivo de dinheiro - Paulo de Vilhena
Tag

dinheiro

Browsing

A esmagadora maioria das pessoas chega à idade da reforma sem a capacidade de se autossustentar. Apenas 3% das pessoas conseguem chegar à reforma sem depender de mais ninguém. Os outros 97% dependem de alguém ou de alguma coisa, seja de um regime de Segurança Social, de caridade, de apoio familiar ou mesmo de continuar a trabalhar depois da idade da reforma. Isto porque durante a sua vida de trabalho não conseguiram acumular dinheiro ou ativos que depois os sustentassem durante a reforma. Dos 3% que não dependem de ninguém, 2% dependem daquilo que acumularam durante a sua vida financeira, e apenas 1% representam aquilo que eu pessoalmente considero ser financeiramente independente. Ou seja, são pessoas que são capazes de levar o estilo de vida que pretendem, sem limitações, vivendo apenas do retorno dos ativos em que investiram pessoalmente e sem consumir nenhum tipo de riqueza. Este é para mim…

Acho que uma das grandes dificuldades na gestão de empresas está relacionada com o fluxo de caixa, ou cash flow. Uma organização empresarial existe para gerar lucro. No entanto, por mais lucro que tenha, não pode pagar contas ou impostos com ele. Por isso, para a sobrevivência da empresa, o lucro tem de ser transformado em fluxo de caixa. Existem empresas que vendem muito, transformar as vendas em lucro, pagam impostos elevados sobre esses lucros mensuráveis e, ainda assim, não têm dinheiro nas contas bancárias a elas associadas. Ou seja, têm lucros mas não têm fluxo de caixa. Isto acontece porque muitos empresários não têm presente uma distinção clara entre lucros e cash flow. Esta situação chega mesmo a gerar algumas discussões com os seus contabilistas, nomeadamente quando recebem as demonstrações financeiras anuais e o cálculo do respectivo IRC. Portanto, é crítico transformar lucros em fluxo de caixa.  No vídeo abaixo, explico-lhe melhor a…

De acordo com um estudo realizado em vários países desenvolvidos, apenas 2% dos reformados consegue subsistir por si mesmos. Acha que vai fazer parte deste grupo? A primeira coisa a saber é onde está a gastar o seu dinheiro. Segundo aquele estudo, quando chega a idade da reforma, 45% das pessoas passa a depender de familiares; 30% depende da Segurança Social ou de instituições de caridade; 23% continua a trabalhar; e apenas os restantes 2% consegue substituir por si mesmos (sendo que apenas 1% consegue sustentar-se sem perder património). Mas o cenário tende a piorar. Atualmente, dadas as alterações nas taxas de natalidade, a probabilidade de não virmos a ter uma reforma, apesar de todos os descontos que fizemos, é muito elevada. Quando, em 1889, Bismarck estabeleceu a idade da reforma aos 65 anos na Alemanha, a esperança média de vida era de 45 anos, e seriam poucos os que…

Muitas pessoas não entendem bem a diferença entre o comportamento das pessoas que acumulam grandes quantidades  de riqueza e aquelas que, até ganhando bastante dinheiro, não conseguem esse mesmo tipo de acumulação. Esse é um dos assuntos de que falo no meu livro O Mapa da Independência Financeira porque é crítico que entendamos a diferença. As pessoas que acumulam grandes quantidades de dinheiro entendem o dinheiro de uma forma diferente. Jogam o jogo do dinheiro com princípios diferentes e quase que com regras diferentes. Então, é essa maneira de pensar que lhes permite tomar decisões e fazer escolhas diferentes em relação ao dinheiro e que, consequentemente, faz a diferença entre aqueles que acumulam mais dinheiro dos que não conseguem fazê-lo. O que faz quem tradicionalmente classificamos de “pobre” em relação ao dinheiro?  O pobre ganha dinheiro com o seu esforço, com o seu trabalho. O que faz com o seu dinheiro é…

Qual é o truque que eu posso usar na minha vida pessoal para garantir que comece a conseguir fazer uma poupança financeira? Costumo dizer que quanto a essa questão não tenho grandes dúvidas : Pague a si próprio primeiro! Existe um livro fantástico sobre este tema de finanças pessoais, The Automatic Millionaire, da autoria de David Bach,  que foca essencialmente essa ideia. Em rigor, o que significa pagar primeiro a si próprio? Há uma diferença grande de pensamento entre as pessoas que acumulam algum tipo de dinheiro e aquelas que, por alguma razão, por muito que ganhem não conseguem lá chegar. E a razão é muito simples. Nós tendemos a ganhar dinheiro, gastar dinheiro e poupar o que sobrar. E normalmente não sobra grande coisa… As pessoas que conseguem acumular uma quantidade significativa de dinheiro  fazem  o contrário.  Ganham dinheiro, poupam dinheiro e gastam o que sobra. Ou seja, pagam…

A terceira edição d’O Mapa da Independência Financeira será lançada ainda neste ano, o que me deixa muito satisfeito. Este livro baseia-se na minha própria história de vida e tem origem, inicialmente, nas experiências de negócios que vivi quando trabalhei na banca, na área de gestão de fortuna. Um dos fatores que me levou a escrever este livro foi a convicção de que a independência financeira oferece a cada um de nós a possibilidade de sermos felizes. Ora, podemos ser felizes com mil euros mensais ou com um milhão. Compete justamente a cada um de nós definir o nível de vida que nos faz felizes… Os valores que estabelecemos como inegociáveis…  E a quantia de dinheiro necessária para podermos experienciar esse estilo de vida e proteger esses valores. O dinheiro não traz felicidade, segundo o pensamento mais generalizado. Concordo com a afirmação, mas não no sentido em que é normalmente interpretada.…