Tempo: a alavanca da capitalização | Conteúdos Paulo de Vilhena

Só dominando e aplicando a fórmula da capitalização é possível criar riqueza. Mas, a menos que se ganhe uma herança, ninguém se torna milionário de um dia para o outro. Porque o tempo é o fator determinante neste processo.

A fórmula da capitalização refere-se à rentabilidade sobre a rentabilidade ou ao juro sobre o juro, o juro composto. Apesar de o efeito da capitalização ser relativamente lento no início,  a base vai-se expandindo e vai acelerando com o tempo.

Na prática…

Se investirmos 1 euro a 10%, ao fim de um ano teremos 1,1 euros. No ano a seguir, os mesmos 10% já não irão incidir somente sobre o 1 euro, mas sobre 1,1 euros. Então, no segundo ano, teremos uma rentabilidade maior à que tínhamos no primeiro ano. E no terceiro a rentabilidade também será superior à do ano anterior – e assim sucessivamente. Ou seja, ao longo do tempo, assistimos a um efeito multiplicador poderoso, sendo que a velocidade aumenta.

Na criação de uma massa crítica, o início exige muito esforço até que atingimos o momentum, em que já é necessário um esforço muito pequeno para obtermos resultados.

No progresso em direção à independência financeira, é a massa crítica de dinheiro que origina o momentum, que ao longo do tempo vai criando a riqueza. Imaginemos então que poupamos 3 euros por dia.  Se  colocarmos de parte o equivalente a um maço de tabaco barato ou dois cafés e um bolo, podemos rentabilizar cerca de 100 euros por mês. Ora, 100 euros por mês, investidos a 12%, ao longo de 40 anos, pode traduzir-se numa reforma milionária.

Imaginemos que poupamos 5 euros por dia. Isso equivale a 35 euros ao fim de uma semana e aproximadamente 150 euros num mês. Então, se investirmos 150€ por mês e ganharmos 10% do retorno anual, acabamos com:
1 ano = 1 885€
2 anos = 3 967€
5 anos = 11 616€
10 anos = 30 727€
15 anos = 62 171 €
30 anos = 339 073€
40 anos = 948 611€

Lembre-se de que o fator decisivo para atingirmos a nossa independência financeira não é quanto ganhamos, mas o que fazemos com o nosso dinheiro. Perceba “ONDE ESTÁ A GASTAR O SEU DINHEIRO?

Retenha também que a taxa de rentabilidade a que o nosso dinheiro está aplicado é decisiva para a nossa capacidade de o capitalizar.

Gostou deste artigo? Se quer receber quinzenalmente conteúdos como este subscreva a nossa newsletter aqui!

3
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Paulo de VilhenaAntonio SimoesJose Luis Gouveia Recent comment authors
  Subscribe  
mais recente mais antigo com mais votos
Notifique-me se
Jose Luis Gouveia
Visitante
Jose Luis Gouveia

Dificil é encontrar um investimento a 10% com pouco risco 😀

Antonio Simoes
Visitante
Antonio Simoes

Pois…também coloquei essa questao…E ainda o autor que respeito pelo seu trabalho, ainda nao me explicou onde hoje em dia tenho aplicações ao ano a 10%…
Porque se fosse assim , eu com 57 aplicaria todo o dinheiro poupado e daqui a 10 anos teria uma fortuna acomulada….

Paulo de Vilhena
Visitante

Bom dia António, mais uma vez, agradeço o seu comentário que mereceu toda a minha atenção.
Relativamente à sua questão, pode encontrar por exemplo no retorno médio do mercado acionista e fora do mercado financeiro ou no mercado imobiliário..
Se pretende uma explicação mais detalhada, aconselho o António a ler o meu livro “Manual da Independência Financeira” ou assistir ao curso online “Manual da Independência Financeira”.
Obrigado ~nb