O que é, afinal, o sucesso?

Será que aquilo que é fundamental para termos sucesso nas vendas é diferente do que necessitamos para ter sucesso na vida?

Na minha opinião, não é assim tão diferente. Aquilo que necessitamos para ter sucesso em vendas é quase a mesma coisa de que necessitamos para ter sucesso em qualquer outra área da nossa vida. Acredito que só temos sucesso de longo prazo na atividade comercial quando conseguimos alinhar as nossas características principais como indivíduos com alguns princípios básicos desta atividade e com alguns princípios mentais da natureza.

 

Quando conseguimos que o que somos esteja alinhado com estes princípios, aí sim, reunimos as condições para ver materializado o sucesso que tanto procuramos.

E para termos sucesso nesta atividade, temos antes de nos tornar o tipo de pessoa que tem sucesso nela. E é esse alinhamento que defendo que existe nos comerciais de primeira linha.

Mas o que é, para mim, o sucesso?

Há algum tempo ouvi uma definição curiosa que identificava o sucesso como a possibilidade de ter todas as coisas que o dinheiro pode comprar, sem abdicar das que não pode. Resolvi, desde aí, refletir um pouco mais e apurar as minhas convicções sobre o assunto.

 

Sucesso significa, para mim, a obtenção de níveis elevados de satisfação e realização em sete áreas essenciais da nossa vida.

 

7 áreas essenciais:

A primeira área engloba a saúde, a forma física e a energia. Para que nos sintamos e pareçamos bem, será fundamental assegurar este pilar, de forma a sentirmos a vitalidade que nos permite perseguir os nossos objetivos e sentirmos a alegria de estarmos vivos. Exercício físico, tranquilidade e uma alimentação cuidada são seguramente os caminhos para este objetivo.

 

O segundo destes pilares será o estabelecimento de relacionamentos emocionais gratificantes, um dos investimentos mais importantes nas nossas vidas. As relações medem o nosso nível de sucesso enquanto seres humanos, uma vez que são a explicação para grande parte das sensações que experienciamos a nível da felicidade e infelicidade.

 

A terceira área é a independência financeira. Ter o suficiente para não nos preocuparmos com dinheiro o tempo todo. Não é o dinheiro a origem de todos os males, mas sim a falta dele. Mas o que é a independência financeira? Será a nossa capacidade de viver confortavelmente dos rendimentos gerados pelos ativos que detemos.

 

Em quarto estão os valores, ideais e objetivos válidos. A vida não vale a pena sem uma direção. Sem algo por lutar, algo para defender, algo para passar aos outros: um legado. O que dá sentido às nossas vidas? Algo maior que nós próprios.

 

O quinto aspeto é a realização pessoal. E antes de mais, é necessário definir o que é para nós a realização. Para mim isso é a convicção de que somos a melhor pessoa que podemos ser, que estamos a aproveitar ao máximo o nosso potencial.

 

Paz de espírito será o sexto aspeto a considerar, a possibilidade de viver de uma forma perfeitamente equilibrada e em harmonia com os nossos valores e convicções mais profundas.

 

O último e sétimo pilar é o da contribuição. Contribuir é, segundo Tony Robbins, uma das seis necessidades do ser humano. Para mim é claramente uma prioridade. Vivemos em sociedade e podemos beneficiar de muitas coisas que nos são proporcionadas pelos outros, pela comunidade.

 

E temos sempre a hipótese de deixar as coisas melhores do que as encontrámos.

E para si: o que é o sucesso?

É bem-sucedido nas 7 áreas essenciais da sua vida?

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notifique-me se