Curso Mini-MBA. Inscreva-se Aqui.
Curso Mini-MBA. Inscreva-se Aqui.
Próxima Página Próxima Página

As férias estão a começar. E isso fez-me lembrar o desafio que há cerca de dois anos coloquei a mim mesma e cujos ensinamentos gostaria de partilhar convosco.

No final de Julho de 2017, antes de ir de férias, decidi abraçar um desafio: 30 dias seguidos a correr ou pelo menos a fazer desporto.

Para quem não me conhece bem, vou contextualizar. Apesar de eu ter sido desportista na juventude, já há alguns anos que tinha uma relação muito afastada com o desporto. Há alguns anos foi-me diagnosticado um princípio de asma e isso foi a desculpa perfeita para deixar de fazer desporto e para não me sentir nada culpada por isso…

Foi então que naquele mês de Julho resolvi pôr esta minha crença em causa. Sem pensar muito lancei-me este desafio e partilhei com todos para que não pudesse fugir dele facilmente.

Passaram 30 dias e o desafio foi cumprido à risca. Entre correr, andar e até jogar padel com os amigos para comemorar passaram os 30 dias! O desafio começou com dificuldades, com dores fruto do esforço físico, mas acabou com muito ânimo, energia redobrada e vontade de nunca mais largar este hábito diário de fazer exercício físico.

Então gostaria de partilhar convosco os ensinamentos que retirei deste desafio e que penso terem sido fundamentais para chegar ao fim com tanto sucesso:

1) Torne o objetivo uma questão de honra

Eu partilhei o meu desafio com todos os meus amigos através do Facebook. Sou uma pessoa que valoriza fortemente os valores do reconhecimento e do comprometimento com os outros. Por isso tenho a certeza de que o facto de eu ter partilhado com os meus amigos este desafio foi totalmente chave para o manter até ao fim. A ideia de perder a credibilidade junto dos meus amigos era muito mais assustadora do que a ideia de me doerem muito as pernas!

2) Não há exceções

Ter decidido que ia fazer desporto todos os dias foi fundamental. Pois ajudou-me a manter a obrigação e interiorizar realmente um novo hábito. Ao longo do percurso tive alguns amigos que me aconselharam a descansar alguns dias. Obviamente querendo o meu bem e estando preocupados com as consequências daquilo que poderia ser um esforço demasiado elevado. No entanto, optei por me manter fiel à rotina diária. Pois o facto de falhar um dia que fosse seria a desculpa perfeita para falhar outro e outro.

Quando pretendemos estabelecer uma nova habilidade na nossa vida, devemos incluí-la diariamente na nossa rotina. Porque só quando a fazemos de uma forma consistente vamos realmente incorporá-la na nossa rotina. O facto de eu acordar, vestir-me, comer qualquer coisa e sair para correr todos os dias foi fundamental para começar a fazê-lo de uma forma automática, sem pensar muito e sem dar hipótese à minha preguiça de argumentar comigo.

3) Não há desculpas

O terceiro ensinamento foi aquele que me deu mais gozo ultrapassar pois senti todos os dias os macaquinhos do sótão a falar comigo. Todos os dias, quando acordava, os macaquinhos falavam comigo. “Olha que hoje está frio. Olha que hoje está calor. Já é muito tarde, depois já não consegues ir à praia. Hoje é melhor não ires porque te dói muito a perna…”

Ora, todos os dias havia uma novidade que os macaquinhos inventavam para me tentar convencer a não ir fazer o meu desporto matinal. Aperceber-me disto e conseguir com força de vontade calar os macaquinhos todos os dias não foi tarefa fácil, mas consegui.

Na sua vida os macaquinhos vão sempre andar por aí. Porém não lhes dê ouvidos! Guie-se pelos seus objetivos e pelo caminho que traçou para si.

Ao longo daqueles 30 dias do desafio, a ideia que me suportou foi “Desistir? Nunca!”

Eu apliquei as lições deste desafio, depois, em outras áreas da minha vida e continuo a pensar que são ótimos ensinamentos para qualquer que seja o objetivo estabelecido.

Mariana Arga e Lima
Executive Vice-President na Paulo de Vilhena Business Excelerators

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notifique-me se