Dois exercícios obrigatórios antes de iniciar um negócio | Paulo de Vilhena

A maioria das empresas começa com uma ideia… Uma pessoa que quer seguir essa ideia, largar a vida de empregado por conta de outrem e lançar-se como empresária. Normalmente tudo começa sem grande caminho traçado. Mas logo no início começam os desafios… Há pelo menos dois exercícios obrigatórios que um empresário deve fazer antes de iniciar uma empresa.

Crie uma visão a longo prazo

Este primeiro exercício consiste em elaborar um plano de negócios para os 5 a 10 anos seguintes. O empresário precisa de ter uma visão clara do que pretende para a empresa. O seu nicho de mercado, a sua diferenciação e os objetivos que quer alcançar devem ser definidos.

Esta visão é fundamental pois vai permitir encaminhar o dia a dia e estabelecer planos de ação a curto prazo. Para além da visão, é também fundamental definir os pontos de cultura. Ou seja, os valores e comportamentos obrigatórios que farão parte do dia a dia da empresa e que vão ajudar o empresário a encontrar as pessoas certas para a sua organização.

O que costuma acontecer é que a maioria dos empresários quer começar rapidamente o negócio, partindo para a ação sem antes planear. Antes de partir é crítico saberem onde querem chegar e como o vão fazer.

Pode parecer até  utópico pensar nestas coisas antes de começar a operar. Mas é no momento inicial que devemos ter o caminho delineado. Caso contrário, corremos o risco de começar a andar em círculos e não chegar aos resultados desejados.

Defina o organograma da empresa

O segundo exercício é definir o organograma da empresa, independentemente de o único empregado ser o próprio empresário. É essencial perceber que funções têm de existir e o que cada uma vai assegurar.

Numa fase inicial, as caixas do organograma devem estar todas preenchidas com o nome do empresário, sendo este o único colaborador da empresa. Devem ser assinaladas as funções em que o seu conhecimento é fundamental e aquelas que poderão ser delegadas em breve. Deve ainda ser acrescentado o número de horas que cada função ocupa.

O empresário deve ir construindo um manual de procedimentos por função. Para tal, deve ir apontando as rotinas e metodologias que utiliza em cada função, ao longo de várias semanas. Perceber os  indicadores que deve seguir para garantir uma boa execução destas mesmas tarefas também se revela essencial.

Este manual de procedimentos deverá ser melhorado ao longo do tempo e servirá de base para a delegação das tarefas à equipa.

O empresário deve aprender a valorizar o seu tempo e perceber quais as funções que trazem maior e menor valor para a empresa. Porque será com as funções de maior valor acrescentado que, a longo prazo, se deverá ocupar inteiramente. O objetivo é que, com o crescimento da empresa, o empresário se vá ocupando cada vez mais das tarefas do topo do organograma. Simultaneamente deve ir criando condições financeiras e de suporte para ir preenchendo com outras pessoas as restantes funções mais operacionais.

Bryan Tracy diz-nos que um bom planeamento aumenta em 10 vezes os resultados da empresa. Por isso, é fundamental que os empresários passem o seu tempo a pensar o negócio e não a operá-lo!

Portanto, no momento em que iniciam a atividade, os empresários devem preparem a operação, mas desde logo começar a criar as condições de estruturação e monitorização. Só assim será possível a alavancagem do negócio.

Mariana Arga e Lima

Business and Executive Coach na Paulo de Vilhena Business Excelerators

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notifique-me se