Ações: qual o risco? | Conteúdos Paulo de Vilhena

Ainda que sejam percebidos como ativos mais voláteis que outros bens móveis, as ações são historicamente o investimento que apresenta um comportamento mais rentável no mercado. Na realidade, a maior volatilidade só acontece quando a análise é feita em períodos curtos. Quando analisamos períodos longos, a diferença torna-se praticamente irrelevante.

Quando comparadas com as obrigações, por exemplo, as ações apresentam, historicamente e analisando longos períodos, um retorno de cerca de 7% acima da inflação. É por isso o melhor mecanismo de criação de riqueza e de proteção contra a inflação.

Historicamente, as ações são o melhor e mais seguro investimento no que respeita à preservação e aumento do poder de compra.

Para além disso, excetuando os dividendos, só há incisão fiscal sobre elas quando as vendemos.

As ações são um ativo seguro, mas devemos saber como nos comportar relativamente a este investimento.

Há duas formas de nos posicionarmos na aquisição deste bem:
1- Comprar ações isoladas

Esta é uma opção que eu não recomendo à maioria das pessoas. Analisar as empresas exige muitos anos de estudo. O número de pessoas que são capazes de o fazer é muito reduzido. Poucas pessoas são capazes de o fazer de uma forma consistente, mesmo entre os profissionais.

Assim, a opção que me parece ser mais segura para a maior parte das pessoas é a compra de um índice de ações e não a compra de ações isoladas.

 2 – Comprar fundos especiais de ações, que o mercado financeiro designa por fundos indexados ao mercado

Estes fundos limitam-se a replicar o comportamento dos índices do mercado. Não envolvem por isso, nenhum tipo de gestão ativa e acarretam despesas francamente baixas. Estes fundos ajustam-se automaticamente à performance das ações que os compõem no mercado. Assim, se algum dos títulos do cabaz começar a ter um comportamento consistentemente abaixo dos outros, o fundo vai subponderando o seu peso no cabaz.

Quando investimos desta forma, não precisamos de conhecer o mercado. Já a nossa expetativa de retorno será, em termos médios e a longo prazo, igual à que, historicamente, o mercado tenha feito, ou seja, 10%.

Então para pessoas que não possuem conhecimentos especializado, as ações são um ativo seguro. Mas não quando entendidas isoladamente.

No curto prazo, a subida das ações faz-se com oscilações, por vezes significativas. Então o investimento deve ser feito de forma consistente e sistemática, quer o mercado esteja em alta quer esteja em baixa, no sentido de regularizar a média do valor pelo qual estamos a comprar.

Saiba mais sobre como investir o seu dinheiro no meu livro “O Mapa da Independência Financeira“.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notifique-me se